Encontre o produtor por País

Conheça a história por trás do rótulo

Château Lafont Fourcat

Château Lafont Fourcat / França

Os vinhos deste pequeno produtor francês retratam a essência dos microterroirs de Saint-Émilion, graças ao talento e o trabalho precioso de monsieur Paul Marie Morillon, também consultor dos châteaux Ausone, Cheval Blanc, Pavie e Valandraud

Respeitado especialista em vitivinicultura, Paul Marie Morillon desenvolve há décadas um trabalho meticuloso em Bordeaux, sobretudo na sub-região de Saint-Émillion. Além de comandar sua vinícola-butique, este produtor francês também é consultor de três das mais importantes domaines Grand Cru Classé A, como Ausone, Pavie e Cheval Blanc, além do Château Valandraud, de Jean Luc “Bad Boy” Thunevin, o pai dos chamados “Vinhos de Garagem”.

Apaixonado pelos microterroirs e climats (conceito restrito de solo e suas características que podem diferir de outro a poucos metros) bordaleses, Morillon sempre acreditou que havia algo de muito especial nos vinhas centenárias localizadas na região de Pujols. Lá estão cultivados 12 preciosos hectares, onde le professeur cultiva as tintas cot (malbec) e merlot e a muscadelle (1 hectare apenas), variedade a partir da qual ele elabora o seu aromático e instigante monocasta Lafont Fourcat Blanc, capturando toda a essência desta que é uma das mais tradicionais castas brancas bordalesas.
Ao lado da sauvignon blanc e da sémillon, a muscadelle compõe a santíssima trindade das cepas autorizadas para se elaborar vinhos brancos em Bordeaux. Raramente vista em varietais, esta variedade se faz onipresente, por exemplo, nos cortes de Sauternes, emprestando-lhes as suas inconfundíveis notas florais. Sua propensão à Botrytis cinerea ou “podridão nobre” (fungo que causa a desidratação do bago e consequente aumento da concentração de açúcar), também a torna perfeita para a elaboração de vinhos de sobremesa. Plantada principalmente na sub-região bordalesa de Entre-deux-Mers, onde é amplamente predominante (se supõe ser ali a sua provável origem) é também cultivada na Alsácia, no leste europeu e Austrália.

Situadas em uma colina com vista para o vale do rio Dordogne, na encosta oposta de Saint Émilion, as raras e centenárias videiras de muscadelle em Pujols são cultivadas em solo argiloso-calcário, em terreno com leve declive e excelentes condições de exposição solar, ventilação, baixa umidade e amplitude térmica. Visando a qualidade das uvas, o cultivo das vinhas é realizado manualmente incluindo poda verde e práticas da agricultura orgânica.
Sabe-se que a idade da videira é um fator fundamental para a qualidade do vinho. Com produtividade mais baixa, as vinhas velhas, ou vieilles vignes, em francês, produzem poucas uvas por cacho, mas nessa pequena quantidade a concentração do caldo é maior, gerando assim vinhos de maior estrutura e com grande potencial de envelhecimento em garrafa, de modo que os bons produtores, caso de Morillon, costumam reservar estes vinhedos especiais para os seus melhores vinhos.

Após a colheita manual, a uvas são transportadas em seguida em pequenas caixas para a cantina, onde o produtor realiza microvinificações em tanques de inox. Após selecionadas, as uvas são maceradas com leveduras naturais, entre quatro a cinco semanas, com controle de temperatura, quando ocorre a fermentação alcoólica. Sem passagem por barricas, o Lafont Fourcat Blanc, com produção de apenas 8.000 garrafas anuais, destaca no nariz e no paladar todo o seu frescor e os aromas florais da muscadelle (tília, acácias), enaltecendo ainda os laços profundos desta casta com o terroir desta parte de Saint Émilion.

Voltar